Publicidade

Yukaline - Conecta você.
Plano foi apresentado em sessão da Câmara dia 15 (Foto: Divulgação | PMBP)

Prefeito calcula que seja necessário investimento de pelo menos R$ 10 milhões em macrodrenagem

Penha - Depois de ser mais uma vez atingido por alagamentos, o município elaborou um plano de ação para reestruturar a rede de drenagem pluvial. Um levantamento dos pontos críticos e uma relação dos projetos que a Prefeitura pretende realizar foi apresentada pelo prefeito Aquiles da Costa dia 15 em sessão da Câmara Municipal. A maior parte das ações depende de projetos e de recursos do Estado da União para serem executados. O vice-governador Eduardo Pinho Moreira já se comprometeu a ajudar na captação.

Publicidade

Leia também: Em estado de emergência, Penha precisa retomar projetos de drenagem urbana

O plano prevê a ampliação dos canais extravasores (valas), construção de galerias, dragagem do Rio Iriri e do canal DNOS. Além dessas ações, o Governo Municipal quer implantar uma lagoa de contenção em área próxima ao rio.

A previsão inicial é de que sejam necessários cerca de R$ 10 milhões para planejar, licenciar e executar essas ações. Mas o município ainda precisa elaborar os projetos executivos, de impacto ambiental e captar os recursos para executá-las.

- Vamos precisar buscar recursos do governo federal e estadual, mas nós temos competência para isso, e espero a ajuda dos vereadores nesse sentido”, garante Aquiles. 

Em conversa com o prefeito, dia 8, em Itajaí, o vice-governador Eduardo Pinho Moreira se comprometeu a auxiliar o município na busca por recursos: “O prefeito Aquiles pode contar comigo como um parceiro e um amigo. Nossa porta está sempre aberta para ele”, declarou.

Diagnóstico

Entre 2008 e 2017 a Defesa Civil registrou cinco ocorrências de alagamentos na cidade. A mais recente, dia 3 de maio, atingiu 60 ruas e desalojou 161 famílias.

Leia também: Com ruas alagadas e rios assoreados, Penha entra em estado de emergência 

No levantamento realizado pela Defesa Civil e  Secretaria de Planejamento foram identificados 11 pontos críticos:  06 em Armação, 01 no bairro Nossa Senhora de Fátima, 2 entre o centro e Nossa Senhora de Fátima, 01 no Gravatá e 01 na Santa Lídia. Segundo a Prefeitura, esses pontos são os principais causas dos alagamentos na maior parte da cidade. O diagnóstico também identificou dez pontos em que a rede não dá vazão suficiente para a água da chuva. 

- As recentes inundações nos deram oportunidade de fazer um diagnóstico preciso de qual a causa dos alagamentos em Penha, e o que precisa ser feito para evita-los - afirmou o prefeito.

Ação emergencial

De acordo com Aquiles,  após a enxurrada do dia 03 de maio, a Prefeitura realizou a limpeza e ampliação das valas coletoras de água da chuva existentes no município. Outra ação destacada por ele é a substituição de tubulação antiga e implantação de noiva rede em ruas como a Rua Valdomiro Bernardes, uma das mais afetadas.

* Com informações da Assessoria de Imprensa

Leia Mais:

 

 

 

Publicidade
  • 1
X

Right Click

No right click