Publicidade
Promenac Penha - Mais perto de você
Além do Fundo de Manutenção da Praia, município ainda precisa de mais recursos para custear a obra

Piçarras - A Prefeitura anunciou nesta quarta-feira, dia 05, que recebeu da empresa contratada o projeto executivo para o prolongamento da Avenida José Temístocles de Macedo até a divisa com Barra Velha. A maior parte dos detalhes já está definida, mas o Governo Municipal preferiu não informar qual o valor previsto até que mudanças pontuais, pouco detalhadas, sejam implementadas na proposta original. Os recursos para a execução da obra também não estão totalmente assegurados.

De acordo com o planejamento apresentado, a urbanização de 2,75 km da Beira Mar no bairro Itacolomi deve ser executada em duas etapas. A primeira compreendida do fim do calçamento – após a Rua Rufino B. Borba (2.660) - até a Rua das Figueiras (3.600). A segunda etapa deve seguir deste ponto até a Rua 4950, em Itajuba.

Publicidade

“Foram solicitadas adequações em alguns trechos, melhorando a viabilidade da obra e a previsão de local para plantio de árvores. Após o recebimento do projeto, o próximo passo é o licenciamento ambiental”, disse o prefeito Leonel Martins em nota.

O projeto

A avenida terá pista com 3,5 metros de largura, pavimentada em concreto intertravado (paver), e ciclofaixa com 2,5 metros. O projeto prevê ainda a instalação de espaços específicos para a construção de quiosques, além de passeios públicos acessíveis, deck em madeira e passarelas de acesso à faixa de areia. A via deverá receber também nova iluminação, com rede elétrica subterrânea, drenagem pluvial e bolsões de estacionamento.

Segundo a Prefeitura, o trabalho elaborado pela Zandoná Assessoria e Projetos custou R$ 15.487,50 e foi contratado em  processo licitatório que tinha valor inicial de R$20.350. Além do projeto, o contrato assinado em fevereiro também prevê a elaboração de estudos e inventários ambientais, além de assessoria e consultoria junto à Superintendência do Patrimônio da União (SPU), com quem a Prefeitura precisa obter licença para realizar qualquer intervenção na faixa de areia.

2018_09_05_15h13_picarras_beira_mar_norte_2.jpg
Prefeitura precisa de licença ambiental e da União para fazer intervenção sobre a restinga da praia (Reprodução | Google)

Orçamento incerto

Procurada pelo Expresso das Praias, a Assessoria de Imprensa disse não poder divulgar o valor estimado para execução do projeto original antes da revisão solicitada. Para custear a obra, a Prefeitura pretende usar o Fundo de Manutenção da Praia (Fumpra), criado em 2001 e alterado em agosto de 2017 para permitir a aplicação em obras que não sejam o engordamento faixa de areia.

O saldo da conta vinculado ao fundo também não está publicado no Portal da Transparência; em fevereiro deste ano, ultrapassava os R$ 9 milhões. Mas o recurso pode não ser o suficiente para executar todo o projeto. A Prefeitura já adiantou que também vai buscar repasse junto ao governo federal.

Leia também:

 
 
 
 
 
Leia mais sobre: fumpra
Publicidade
  • 1
  • 2
Publicidade
Rádio Pérola FM
X

Right Click

No right click