Publicidade

Yukaline - Conecta você

Ruas atingidas por alagamentos e deslizamentos de terra já recebem ações de reparo da Prefeitura

Penha - Em estado de emergência nível dois, o município estima um prejuízo de R$ 7 milhões com os alagamentos registrados neste começo de ano. Em reunião dia 29/01 na capital do estado, os municípios atingidos solicitaram apoio para reparar os estragos. 

Publicidade

O acumulado de chuva no município de Penha em janeiro, segundo a Epagri, foi de 419,6mm, volume 120% acima da média para esta época do ano (190 mm). Não há famílias desalojadas, mas algumas áreas precisam de ações para evitar novos deslizamentos e alagamentos.  

Uma das comunidades mais atingidas foi a da Praia de São Miguel, onde o Expresso das Praias conversou com moradores depois que áreas interditadas foram liberadas.

- O vice-prefeito esteve aqui e tudo. A gente fez uma reunião e eles estão fazendo um projeto para apresentar daqui a 30 dias - afirma a aposentada Solange Melo. 

A rua em que ela mora, a Sidnei J. Pereira, está situada em uma região que já teve deslizamentos no ano passado, mas agora enfrenta problemas com o escoamento da água, que acaba represada nos terrenos dos vizinhos. A falta de drenagem é apontada como motivo da maior parte dos transtornos e contribuiu para colocar a cidade em estado de emergência nível 1 no verão anterior. 

Dona Jaci, moradora da Rua João Medeiros, no centro, onde problema com drenagem foi resolvido (Foto: Ana Paula Salvador)

Na reunião do dia 29 ficou definido que os municípios receberão assessoria técnica da Defesa Civil Estadual e do Governo Federal para elaborar planos de trabalho e requerer recursos para obras. 

- Temos fases que devem ser cumpridas, que é a homologação do decreto pelo Estado e reconhecimento pelo Governo Federal; elaboração dos planos de reabilitação e reconstrução e depois a captação de recursos para poder minimizar os estragos causados pelas chuvas - explica o secretário de Estado da Defesa Civil, Rodrigo Moratelli.

Além dele, participaram do encontro em Florianópolis os prefeitos de mais 12 municípios e o secretário nacional de Defesa Civil, Renato Newton Ramlow, que interagiu direto de Brasília via vídeoconferência.

Reconstrução já começou

Enquanto aguarda a homologação do decreto de emergência - prevista para ser publicada nesta semana no Diário Oficial - a Prefeitura realiza ações pontuais para recuperar vias e tubulações danificadas. Também deu início à construção de novos pontilhões no Bairro Santa Lídia, dois deles destruídos durante as inundações. Uma terceira travessia também será implantada, segundo o Governo Municipal.

- Isso vai permitir mais vazão da água, e assim mais durabilidade do pontilhão, além de prevenir que a água não acumule muito ali - explica o secretário de Serviços Urbanos, João Batista Porto.

A troca e implantação de tubos é outra frente em que ações foram realizadas. No centro, a Rua João Medeiros recebeu reparos:

Lideranças e Defesa Civil se reuniram na capital para definir estratégias de reconstrução ( Cleiton Ferrasso/ Ascom)
 
- Quebrou lá em baixo, onde começava a encher. Mas agora, com a tubulação nova, não alaga mais, não - reconhece a moradora Jaci.

Em outras áreas, como a Rua José Rodrigues Vieira, soluções ainda são aguardadas. Os moradores entregaram ao Ministério Público, à Câmara Municipal e Prefeitura, dia 18, um abaixo-assinado com 130 assinaturas para solicitar providências.

Leia também:

Cerca de 150 famílias atingidas por alagamentos dia 11 poderão sacar saldo do FGTS

Praias Vermelha e de São Miguel ainda têm locais com risco de deslizamento de encostas

Piçarras entra em estado de atenção após período de chuva que atingiu o litoral catarinense

Com 200 famílias desalojadas por alagamentos, Penha vai decretar situação de emergência

Publicidade
  • 1
  • 2
X

Right Click

No right click