Publicidade

Yukaline - Conecta você
Concessionária prefere discutir o assunto em reunião fechada com o prefeito de Piçarras

Piçarras - Uma audiência pública definiu nesta quarta-feira, dia 8, a pauta de reivindicações para melhorias em acessos e marginais da rodovia BR-101. A ausência de representantes da Prefeitura, concessionária e agência fiscalizadora não impediu os moradores e lideranças regionais de debaterem formas de reivindicar mudanças sobretudo no aspecto da segurança. Um relatório com os depoimentos coletados vai incluir seis medidas prioritárias definidas após cerca de duas horas de audiência.

  1. Melhoria nos acessos à Penha e Piçarras, com sinalização e segurança adequada;
  2. Asfaltamento e construção das vias marginais nas duas cidades;
  3. Construção de um viaduto no Bairro Santo Antônio;
  4. Construção de uma passarela em ponto a ser definido;
  5. Melhoria na sinalização dos acessos;
  6. Remodelação do acesso principal a Balneário Piçarras com vistas à segurança, acesso fluído e estética.

As ações da Autopista Litoral Sul junto aos acessos e saídas dos municípios são alvo principal dos comerciantes e moradores estabelecidos às margens da rodovia. Eles exigem que a empresa preste informações sobre as mudanças que realiza e dialogue com os municípios afetados.

Publicidade

“A autopista ultimamente manda e desmanda nas cidades… Eles colocam guard rail trancam os comércios, trancam as entradas, trancam tudo… E ninguém faz nada! … O nosso bairro Santo Antônio está literalmente trancado porque nós não temos um acesso, um túnel” - protestou a comerciante Cissa Borba, que teve o cunhado morto por atropelamento há cerca de 15 dias no acesso principal a Piçarras.

Para  ir e voltar das comunidades rurais também é preciso trafegar pela marginal de mão dupla, que é considerada a prioridade de segurança número um. Os moradores do interior já planejam  uma manifestação pública que pode fechar a rodovia federal no ponto em que o último acidente fatal foi registrado:

“Eu já falei com a Polícia Rodoviária. Eles só mandaram avisar com antecedência e a comunidade toda está apoiando. E ser for possível nós vamos fazer um manifesto pacífico… Se a comunidade toda fechar as entradas e as saídas de Balneário Piçarras, como que vai ficar?” - provocou a vereadora Dalva Teixeira (PP).

A mobilização comunitária em busca de medidas concretas para os problemas deu a tônica da participação popular no debate. Além de cobrar projetos, os moradores lembraram que é preciso levar as demandas aos representantes eleitos da região:

“Nós estamos só batendo nos municípios. Mas qual é a responsabilidade dos nossos deputados estaduais e federais? Os municípios sozinhos não podem fazer nada… Na hora de pedir nossos votos, seja em Piçarras, seja em Penha, tem um monte de candidatos, mas agora, aqui [na audiência], eu só vejo o representante de um [deputado federal Osvaldo Mafra]” - protestou a moradora de Penha, que trabalha em Balneário Piçarras, Maria Aparecida.

Ela também reforçou que não compete aos governos alocar recursos para obras. Essa é a obrigação da concessionária, a quem cabe cumprir um contrato, que deve ser fiscalizado pela ANTT.

2018_08_09_18h39_picarras_audiencia_br101_marginal.jpg
Fim das marginais em mão dupla é a prioridade número um (Foto: Leandro Cardozo de Souza)

Agenda indireta

Depois de confirmar que enviaria representante, a Auto Pista Litoral Sul, cancelou, às vésperas da audiência, a participação no debate promovido pelo Foro Metropolitano da Foz do Rio Itajaí Açu.

“A concessionária agradece o convite e comunica que não participará do referido evento em razão do conflito de agenda. Informa que está agendada reunião com Prefeito Leonel Martins, Arteris - Litoral Sul e Agência Nacional de Transportes Terrestres para tratativas das demandas do município de Piçarras e que os temas debatidos no evento poderão ser representados pelo Prefeito” - informa o comunicado.

A informação causou revolta nos moradores e líderes regionais.

“O Foro não pode deixar de manifestar o seu profundo desalento com a conduta do concessionário do serviço público, que não deseja comparecer junto aos seus usuários - os cidadãos pagadores de tributo e pedágio - preferindo uma agenda indireta”, lamentaram os organizadores.

O prefeito Leonel Martins (PSDB) também tinha presença confirmada, mas não compareceu para a mesa do debate. Depois do início da audiência, ele informou em mensagem enviada ao vereador João Bento (PSDB) que não poderia comparecer por problemas de saúde. O presidente do Foro Metropolitano, Rafael Mayer da Silva, se disse entristecido pela ausência de representantes da Prefeitura. Ele convocou a comunidade a acompanhar os desdobramentos da audiência e cobrar respostas:

Espero que a reunião que sua excelência o prefeito terá seja republicana e que faça a adesão também ao que está aqui para resolver... Infelizmente a autopista resolveu ter uma reunião à portas fechadas…”, lamentou.

O relatório final da audiência deverá ser encaminhado ao Conselho do Foro Metropolitano, à ANTT, à Arteris (empresa controladora da Autopista), ao Ministério Público Federal, à Câmara dos Deputados e à Presidência da República.

A íntegra da audiência está disponível em vídeo:

 

Leia também:

 
 
Publicidade
  • 1
  • 2
X

Right Click

No right click