Publicidade
Promenac Penha - Mais perto de você
Cinco animais foram atendidos pela equipe da Univali Penha

Penha - Mais 18 pinguins-de-magalhães (Spheniscus magellanicus) reabilitados foram devolvidos ao mar na manhã desta quarta-feira, dia 07. Cinco deles passaram pela Unidade de Estabilização de Animais Marinhos da Univali no município e todos foram atendidos pelas equipes do Projeto de Monitoramento das Praias afetadas pela exploração do pré-sal na Bacia de Santos (PMP-BS).

As aves foram libertadas na Praia do Moçambique, em Florianópolis, junto com as demais, que estavam sob os cuidados de entidades conveniadas ao programa.

Além dos cinco pinguins resgatados pela Univali Penha, mais cinco vieram da Udesc Laguna, outros dois foram resgatados pela equipe da Univille e mais um pelo Instituto Australis/Projeto Baleia Franca. Nas praias da Capital, a organização R3 Animal reabilitou mais cinco animais, um deles, entregue no Projeto Tamar, com um anzol preso ao bico.

Esta é a terceira soltura de pinguins-de-magalhães nesta temporada, totalizando 56 animais. O Centro de Pesquisa, Reabilitação e Despetrolização de Animais Marinhos (CePRAM) prevê que esse número deva aumentar porque 11 pinguins continuam em reabilitação até que tenham condições de voltarem para casa.

Segundo os pesquisadores, todos os anos, desde o início do inverno, os pinguins-de-magalhães saem de colônias na Patagônia, na Argentina, em busca de alimento:

“Eles acompanham as correntes marítimas de água fria e acabam chegando em nossas praias. Infelizmente, alguns não conseguem retornar às colônias de origem e são encontrados mortos em nosso litoral. Outros, chegam às praias cansados, debilitados, desidratados, muitos com quadro de pneumonia, e necessitam de cuidados”.

A maioria das aves são jovens, estão em seu primeiro ano de vida, e encaram a primeira viagem. São resgatados vivos pelas instituições que executam o PMP-BS e depois levados para Unidades de Estabilização. Em seguida são transferidos para o CePRAM.

2018_11_07_23h_penha_pinguim_4.jpg
Entidades conveniadas ao PMP-BS encaminham animais debilitados ao CePram, em Florianópolis (Fotos: Nilson Coelho)

Ao avistar mamíferos, tartarugas ou aves marinhas mortas ou debilitadas a população pode acionar equipes do PMP-BS no telefone 0800 642 3341.

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no Polo Pré-Sal da Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama. Esse projeto tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, através do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos animais encontrados mortos.

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no Polo Pré-Sal da Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama. Esse projeto tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, através do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos animais encontrados mortos.

Praia do Moçambique - Florianópolis
Animais foram libertados na Praia do Moçambique, em Florianópolis (Fotos: Nilson Coelho)

Mais pinguins reabilitados pelas equipes do PMP-BS foram devolvidos ao mar na manhã desta quarta-feira. Cinco deles passaram pela Unidade de Estabilização de Animais Marinhos da Univali, aqui em Penha.

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos. Além do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos, os pesquisadores também realizam necropsia dos animais encontrados mortos para determinar a causa da morte.

2018_11_07_23h_penha_pinguim_2.jpg 2018_11_07_23h_penha_pinguim.jpg 

 

Publicidade
  • 1
  • 2
Publicidade
Rádio Pérola FM
X

Right Click

No right click