Publicidade

Yukaline - Conecta você
Categoria reivindica reposição das perdas representadas pela inflação, data-base e ganho real de 1,12%

Barra Velha - Os servidores públicos municipais decidem em assembleia geral, dia 13, a partir das 18h30, se entram em estado de greve. O Sindicato dos Servidores Públicos (Sintrambav) informa que a categoria reivindica 15% de reajuste e o cumprimento da data-base, que já teve seu prazo esgotado no dia 07 de maio.

Ao Expresso das Praias, o Secretário de Administração, Alexandre Correa, informou na noite de quinta-feira que ainda não teve uma conversa oficial com o prefeito sobre o assunto. Caso a classe opte pela greve durante a assembleia do dia 13, o Governo Municipal terá 72 horas para se manifestar sobre a decisão. Em caso de negativa, na segunda-feira, dia 18, ocorrerá a primeira paralisação, conhecida como estado de greve. Nesse dia uma nova assembleia definirá se a classe continua paralisada por prazo indefinido.

Publicidade

O presidente do Sintrambav, Jossias Coutinho, explica que a pauta de reivindicações inclui 11,83% referentes à inflação dos últimos quatro anos, 2,05% referentes à inflação do período e 1,12% de ganho real. Ele destaca que o salário do servidor local é um dos mais baixos de toda a região norte-catarinense. Apesar de conhecer a atual situação da prefeitura, que inclui um comprometimento da receita acima do permitido na LRF (leia na página 05), o presidente diz que cobrará o direito cabível ao servidor, pois “não se pode penalizar a engrenagem que move o município por erros de administração”.

A pauta de reivindicação foi entregue em março ao executivo após a realização da primeira assembleia que discutiu o assunto. Desde então a categoria não obteve respostas por parte da equipe de Valter Zimmermann. A falta de comunicação entre o sindicato e o executivo é apontada como indicativo de que não haverá outro caminho a não ser a greve geral.

"Não somos contra esse partido ou aquele. Estamos aqui para ser ouvidos. Ele não pode fazer as coisas do jeito dele. Agora ele está pagando por isso. Como que um prefeito cria 19 cargos com um impacto superior a um milhão de reais na folha sabendo que os servidores precisam ser valorizados?" - questiona Jossias.

Cobrança no legislativo

No início da gestão, Valter enviou ao legislativo um projeto de lei que alterava a data base de janeiro para maio. O projeto foi aprovado por maioria de votos e causou revolta na categoria que esteve presente à sessão. Na ocasião o presidente da Câmara, Alex Palmital (PSD), pediu para que os servidores dessem um voto de confiança para Valter e que se o prefeito não viesse a cumprir as promessas, o próprio presidente se encarregaria de fazer a cobrança.

Nessa semana, o vídeo da sessão com a fala de Alex viralizou nas redes sociais e agora os servidores cobram também do presidente da Câmara, já que a promessa não foi cumprida. Alex Palmital disse à reportagem que não retira nenhuma palavra do que disse e vai cobrar.

O vereador Juliano Bernardes (MDB) solicitou à presidência da Câmara de Vereadores que tranque a pauta até que o assunto seja concluído. Ele diz que o projeto de lei também retirou da legislação a obrigatoriedade do índice de reajuste. A alteração da data-base era uma conquista da greve ocorrida durante o governo anterior.

Publicidade
  • 1
  • 2
X

Right Click

No right click